Augusto Silva destroçou a defesa do F.C.Porto apontando... 3 golos, o último - o do empate a quatro - aos 88 minutos

Bi-Campeão de Portugal (1927 e 1929)

Eliminado o Benfica da edição de 1932 do Campeonato de Portugal, surgiria no caminho do F.C. Porto o Belenenses, que com dificuldade afastara o Barreirense. Não se notavam, quer nos jogadores, quer nos técnicos, quer nos dirigentes, quer nos simpatizantes portistas, sentimentos escurentados por fumos de desconfiança. Antes pelo contrário.

O Campo do Arnado, em Coimbra, voltou a ser terreiro da luta. A 3 de Julho se jogou a final, arbitrada pelo espanhol Ramon Melcón, a quem a Federação Portuguesa de Futebol recorreu por não ter sido possível obter acordo entre os dois clubes relativamente a qualquer juiz português. Os pupilos de Joseph Szabo chegaram com surpreendente facilidade a uma vantagem de 4-1, com dois golos de Pinga, um de Valdemar e outro de Acácio Mesquita. Parecia que nada poderia pôr empeços aos seus desejos.

Mas por vezes o destino desconcerta: à última hora o Belenenses teve de substituir o habitual avançado-centro, Rodolfo Faroleiro, pelo reserva José Ramos — e, como o substituto não estivesse em dia de inspiração, Artur José Pereira decidiu, perto do fim, quase em solução de desespero, colocar nessa função o médio-centro Augusto Silva, que destroçou a defesa do F.C.Porto apontando... três golos, o último dos quais, o do empate a quatro, aos 88 minutos.

Com o prolongamento nada se resolveu, o regulamento determinava que a finalíssima se disputasse no domingo seguinte, não pôde respeitar-se a praxe porque a Associação de Futebol de Lisboa combinara um Lisboa-Astúrias para o dia 10 de Julho. Por isso se jogaria a 17, outra vez sob arbitragem de Ramon Melcón, cuja direcção do primeiro encontro se considerara modelar.
In "O Século XX do Desporto" Ed. "A BOLA"

Sem comentários: