Daquilo que uns não gostam, outros enchem a barriga.

Se a direcção do meu clube estivesse no Facebook não ia precisar do botão “gosto disto”.
Iria fazer-me mais falta um de “f... devem estar a gozar”.
Das novidades que chegaram ao Restelo desde a última vez que aqui escrevi, e entenda-se por novidades algo que seja verdadeiramente novo, ou seja dias de folga enquanto os adversários directos realizam jogos de preparação é um hábito já enraizado e por isso não conta, destaco os rumores que apontam o fim da Natação.
Desde que o futebol foi ganhando aquela característica a que alguns gostam de chamar “moderno” parece, argumentam os especialistas, que os clubes são empresas e como tal devem ser comandados com uma forte componente de gestão. O que é curioso. A mim ninguém perguntou se eu queria que o meu clube fosse uma empresa.
Se era para isso ia apoiar a EDP aos torneios do Inatel. Ainda assim, já que garantem eles que é o “modelo mais indicado”, ao menos que fosse uma empresa com alegria no trabalho. E não uma onde aparentemente existe uma grande dose de precariedade.
E onde, a julgar pela Natação, parece existir uma aposta no trabalho temporário. Parece um daqueles casos onde as pessoas viram os seus contractos de efectivos, já com dezenas de anos de dedicação à “empresa”, renegociados à má fila e sem o seu consentimento.
Não se sabe qual a “estratégia”. Aparentemente é cortar aos pedaços. Provavelmente a piscar o olho a alguma falência fraudulenta. A questão neste futebol a que alguns gostam de chamar “moderno” é que nunca ficou muito bem esclarecido o papel dos adeptos na tal “empresa”. Olhem, quem sabe se, para tornar a brincadeira mais real, não podem vestir a pele de uma espécie de Autoridade Para as Condições no Trabalho que vai exigir a revisão destes contractos para que seja restabelecida a justiça laboral.
É que sabem, estou cá desconfiado que as recentes direcções do meu clube têm vindo a jogar uma espécie de Batalha Naval.
Cada um vai tentando, à vez, ver se consegue afundar mais um pedaço de História. Talvez até ao dia em que um deles solte o grito triunfal: Belenenses ao Fundo!


PS: No café, enquanto passava os olhos por uma edição já com algumas semanas do “Correio da Manhã”, não pude deixar de reparar na secção de desporto o título em destaque numa notícia relativa ao Futsal: “Benfica esmaga Mogadouro por 5-1”. Umas linhas abaixo lia-se “Belenenses venceu Vila Verde por 7-0”. Dei por mim a pensar como seria emocionante ser adepto de um clube que esmaga os seus adversários por 5-1. Mas tenho de contentar-me em ser de um que apenas os vence por 7-0.

Texto de Gennaro, que escreve no BI quando lhe apetece.

5 comentários:

Alentejano disse...

Muito, muito bom.
Eu era mais para uma sonae ou entao uma galp. Aí os ganhos sao certos.
Mas pronto, coisas de paixões, fazem-nos ser da Belenenses S.A. upa, Clube de Futebol "os Belenenses" ou como me dá mais prazer, Sou do Belém!

Mário disse...

Gosto da nota de humor, sim senhor. No entanto, permita-me discordar de algo. Confesso não me lembrar, mas os sócios do Belenenses, em AG, terão aprovado a criação de uma SAD.
Poderá é alegar que foi criada uma empresa e que esta é amadora, isso é outra história...

Belém disse...

Constatamos que há uma grande sintonia de ideias com as nossas. Gostámos francamente de ler, e penso que também apreciará o que temos desenvolvido em Belenensescasual

Furioso 84 disse...

De facto muito bem escrito e deveras perspicaz, por isto e por muito mais somos contra este futebol moderno, que considera os sócios dos clubes como simples clientes de um produto.

Rui Moura disse...

"Dei por mim a pensar como seria emocionante ser adepto de um clube que esmaga os seus adversários por 5-1. Mas tenho de contentar-me em ser de um que apenas os vence por 7-0."

Pois é, esrimado amigo, temos que mudar todos para o "Grande Esmagador", senão não temos direito a ser felizes. E foi sempre assim com os 'esmagadores'...

Abraços leoninos!