Faz hoje 65 anos que foi a festa de despedida do «Fixe», belenense da melhor gema. Foi uma festa diferente de todas as outras...

Foto do lado esquerdo: 30 de Agosto de 1951, Adelino Moura sai do rectângulo, à meia-hora de jogo, sob calorosos aplausos, revelando a comoção de um homem simples - belenense da melhor gema.
Foto à direita: Moura, recebe um forte abraço de Feliciano, seu grande amigo, que lhe entrega uma recordação de todos os seus companheiros de clube.
A festa do Fixe foi, digamos, diferente de todas as outras, quase sem publicidade, não intervindo grandes clubes, mas apenas dois «teams» caseiros, o grupo de honra e a reserva de Belém, que jogaram na passada quarta-feira, à tarde, nas Salésias. A equipa principal ganhou por 2-0, com golos marcados por Pedroto e Martins.
Os grupos alinharam da seguinte maneira, primeira categoria: José Sério; Figueiredo e Serafim das Neves; Inácio Rebelo (na segunda parte, Castela), Feliciano e Frade; Mário Reis, Martins (ex–Ferroviários do Entroncamento), Francisco André (ex–Farense), José Maria Pedroto (na segunda parte, Castanheira), e Castanheira (depois Narciso).
Reserva: Joaquim Caetano (na segunda parte, Pereira, ex–junior do clube); Adelino Moura (depois, Henrique Silva) e Portas; Amorim, Raúl Figueiredo e Rocha (na segunda parte, Leoneto); Vieira, Narciso Pereira (ex–Seixal), substituído na segunda parte por Bruno, Etelvino (ex–Lusitânia da Ilha Terceira), Aires Martins (depois, Rocha) e Tito. No segundo tempo, Vieira e Etelvino permutaram de lugares

António Vítor Carvalho Júnior

Carvalho, nasceu a 2 de Janeiro de 1936 no Uige (Angola) 
Representou o Belenenses de 1959/60 a 1962/63. Venceu a Taça de Portugal de 1960, tendo sido o autor do primeiro golo do Belenenses no jogo da final, contra o Sporting
  • Post publicado originalmente em 28 de Agosto de 2008 

Perder, de vez, as estribeiras


«Um dia, há muitos anos, entrei num quarto alugado de uma casa do Dafundo. O dono do quarto era solitário e triste, mas eu olhava-o com o fascínio que os homens feitos, como eu já era, só emprestam aos seus heróis da adolescência: Vicente Lucas.
O homem que Pelé considerou o melhor defesa que o marcou. No Mundial de 66, ele jogou contra a Hungria, Bulgária, Brasil e Coreia, que ganhámos, e não jogou contra a Inglaterra, que perdemos.
Em Lourenço Marques, de onde tinha vindo este negro gentil e de bigode fino, chamavam-lhe "Mandjombo", que queria dizer sortudo. Não era bem assim.
Semanas depois do regresso da glória de Inglaterra, Vicente Lucas teve um acidente e ficou cego do olho direito.
No quarto do Dafundo, enquanto ele tirava de uma cómoda a camisola que Pelé lhe dedicara e folheava as fotos com o seu irmão Matateu, eu beliscava-me para me lembrar que estava ali com Vicente. O Vicente.
Provavelmente nunca serei jornalista, a lâmina fria, o olhar seco, o servidor do público. Seguramente não sou capaz, numa entrevista com Jardel - como li ontem -, com Jardel que estrebucha para sobreviver, com Jardel que falara há pouco de Enke, de lhe perguntar: "Suicídio? Passou-lhe alguma vez pela cabeça..."  Se o meu leitor quer saber isso, merda para o leitor. »  Ferreira Fernandes, in Diário de Notícias, edição de 17/11/2009

  • Post publicado originalmente em 24/11/2009

José Pedro Ferreira Bazaliza

José Pedro, nasceu a 7 de Julho de 1919
(Falecido. Data desconhecida)
Campeão nacional da época de 1945/46. Vencedor da Taça de Portugal da época 1941/42. Representou o Belenenses de 1941/42 a 1946/47, jogando na posição de interior-esquerdo ou a ponta esquerda. Jogou 81 jogos oficiais e marcou 42 golos. Desses, 13 jogos e 6 golos, foram na época em que o clube foi campeão nacional. Foi Director do departamento de futebol, no mandato do Major Baptista da Silva, tendo o clube sido vice-campeão nacional. Acácio Rosa, costumava chamar-lhe o «segundo Scopelli»

Isidro Miguel Palmela da Silva Beato

Setúbal, 19/02/1956
Isidro, foi jogador do Belenenses em 1972/73 e 1973/74
nas categorias juvenis, e sénior nas épocas de 1974/75 a 1980/81 

Carlos Alberto Rodrigues Lima

Barreiro, 20/07/1957
Lima, foi jogador do Belenenses nas categorias juvenis
de 1972/73 a 1974/75 e sénior de 1975/76 a 1981/82

Belenenses, em 4º lugar no campeonato dos campeonatos

Tabela com o histórico dos dez clubes de futebol com melhor desempenho nos Campeonatos nacionais/Liga(s), disputados entre 1934/35 e 2015/2016
Critério para o ordenamento, e desempate: 1º) pontos, 2º) presenças, 3º) vitórias. A partir da época de 1995/96, a vitória, passou a valer 3 pontos

O Belenenses recebeu 335 contos pela transferência de Pedroto, um “record” para a época

E porquê? Pedroto explicava assim como as coisas se passaram: “- Eu estava satisfeito no Belenenses e, financeiramente, a minha situação não era nada má, pois o emprego que tinha na Hidro-Eléctrica do Zêzere era bem remunerada. Portanto, quando fui abordado por emissários do F.C.P., fixei a verba astronómica de 150 contos para mim, convencido que não seria aceite tal pedido. Ás contra-propostas que, depois, recebi – não tirei nem um tostão. Despedi-me do emprego e do Belenenses com aquela quantia em meu poder. As “dêmarches” arrastaram-se por longo tempo, pois, por sua vez, o Clube de Belém exigia para si 500 contos. Mas, no fim tudo se arranjou, recebendo o Belenenses 335 contos. Quer dizer, a cifra total que o F.C. do Porto despendeu nessa altura (cerca de 500 contos), constitui para a época uma transferência “record”.”

Severo Tiago, campeão nacional de atletismo e de futebol, cromo 102 da colecção «Caramelo Sport» da «Triunfadora»

Severo Tiago, nasceu em Sacavém em 10 de Fevereiro de 1903
  • Representou os Belenenses em futebol e atletismo de 1921/22 a 1933/34 e o Paço D'Arcos em 1937/38
  • Estreou-se na equipa de honra no dia 1 de Dezembro de 1923, em jogo contra o Boavista, com uma goleada de 8-1. Alinharam: Mário Duarte; Azevedo e Júlio Morais; César de Matos, Augusto Silva e Alfredo Anacleto; Fernando António, José Pires, Severo Tiago, Joaquim Rio e Alberto Rio.
  • Foi campeão de Portugal de futebol (26/27 e 32/33) e de Lisboa em 25/26, 28/29, 29/30 (1ª categoria) 22/23, 31/32 e 32/33 (2ª categoria)
  • Em atletismo, foi Campeão Nacional e Regional dos 100 m, 200 m, estafeta 4x100 m e salto em comprimento, em 1926, 1927, 1928, 1929 e 1930
  • Internacionalizações: No futebol; 1 vez internacional contra a Hungria (3-3) em 26 de Dezembro de 1926, marcou um golo. No atletismo; 1 vez contra Espanha, em 1927, 1º lugar na estafeta 4x100 m. e 2º nos 200 metros
  • Foi o 1º atleta a conquistar um título Nacional de atletismo para o Clube: no salto em comprimento, 6,05 metros, em 1927
  • Foi igualmente o 1º internacional de atletismo do Belenenses, em 1927, num Portugal-Espanha.
  • Sócio de Mérito do Clube de Futebol "Os Belenenses"

Um certo Pepe em tudo o que é Largo da Paz

Baptista-Bastos, «A Bola», Novembro de 1993 
“(…) Certa ocasião, discreteando com Eusébio, o Grande, sobre nomes, mitos e fábulas, perguntei-lhe quem fora o maior entre os maiores. E ele: - O Pepe. Nunca o vi, nunca o conheci. Quando ele morreu talvez nem eu fosse nascido. Mas foi o Pepe. Disseram-me isso, lá, em Moçambique, num largo que havia, no Caniço, e que se chamava o Largo da Paz.”

João Marques de Jesus Lopes «Djão»

Tete (MZ), 16/08/1958
Jogador do Belenenses de 1979/80 a 1986/87
Campeão Nacional da 2ª divisão 1983/84
Finalista da Taça de Portugal 1985/86
Internacional "A"

Eliseu Pereira dos Santos

Angra do Heroísmo, 01/10/1983 
Jogador do Belenenses nas épocas 2001/02 (júnior) 
e sénior nas épocas de 2002/03 a 2004/05 e 2006/07 
Campeão «UEFA Euro2016»

José Maria Pedroto, 22º jogador Internacional “A” do Clube de Futebol “Os Belenenses”

Uma Internacionalização enquanto jogador do Belenenses. Total de Internacionalizações: 17. Estreia a 20 de Abril de 1952, contra a Selecção da França (0-3). Posição: médio/avançado. Golos marcados: Nenhum
  • post publicado originalmente em 24/06/2008 

Artur Quaresma nasceu no Barreiro... brilhou em Belém

"(...) Despediu-se, como jogador na tarde de 5 de Outubro de 1948, num festival no campo das Salésias em que a sua equipa, o Belenenses, defrontou o Sporting, com Azevedo nas balizas e os "azues" venceram por 4-1.

Nesse dia e nesse jogo Quaresma terminou da melhor maneira a sua carreira, pois marcou dois golos nas balizas do grande Azevedo.
Recordam-se as formações das duas equipas:

Belenenses - Sério; Figueiredo e Feliciano; Rebelo, David e Serafim; Matos, Nunes, Sidónio, Quaresma e Narciso.

Sporting - Azevedo; Moreira e Manuel Marques; Canário, Serra, Coelho e Juvenal; Jesus Correia, Vasques, Peyroteo, Travaços e Albano.

O jogo foi dirigido pelo saudoso árbitro Oliveira Machado, de Lisboa - tendo havido durante o encontro várias substituições, pelo que alinharam mais os seguintes jogadores: Pinto de Almeida, Frade, Gonçalves, Caetano, e Fidalgo no Belenenses (...)"

  • Post publicado originalmente em 27/05/2009

Mariano Amaro, velha glória do Belenenses, raramente ia ao futebol

Mariano Rodrigues Amaro, Lisboa (Alfama), 7 de Agosto de 1914. Faleceu a 23 de Maio de 1987
Lugar: interior-direito e médio de ataque - sendo neste último, onde mais se evidenciou. 
Clubes: 1931/32, G.D. Adicense, 1 jogo. 1932/33 e 1934/35, Cativense F.C., 21 jogos. 1934/35 a 1947/48 C.F. "Os Belenenses", 417 jogos, sendo 389 oficiais e 38 particulares.
Títulos: 1 vez campeão nacional da 1º divisão (45/46), 1 vitória na Taça de Portugal (41/42), 2 vezes campeão de Lisboa (43/44 e 45/46), 4 vitórias na Taça Sá de Oliveira (35/36, 36/37, 39/40 e 40/41), 1 vitória na Taça Raul de Figueiredo (45/46), e 2 vitórias na Taça Eng.º. Ávila de Melo (46/47 e 47/48). 
Internacionalizações: 19. Estreia em 28/11/1937. Espanha 6, Hungria, Alemanha, Suiça 4, Irlanda 2, Inglaterra e França 4. Último jogo em 23/11/1947.
Selecção de Lisboa: 12 jogos. 11 contra o Porto e 1 contra Aveiro. 
Carreira de treinador: "O Elvas", Oriental, Caldas, Torreense, Vitória de Guimarães (5º lugar) e Negaje (África)
  • post publicado originalmente em 19/03/2009 

Borislav Mihaylov e Anio Sadkov


  • Borislav Mihaylov, representou o Belenenses nas épocas 1989/90 e 1990/91
  • Anio Sadkov, representou o Belenenses nas épocas 1989/90, 1990/91 e 1991/92

Carlos Manuel Pereira Pinto «Adão»

Chaves, 03/04/1960
Jogador do Belenenses nas épocas de 1988/89 e 1989/90
Vencedor da Taça de Portugal de 1989
52º jogador Internacional “A” do Clube de Futebol “Os Belenenses”

Diamantino Pereira da Silva

Jogador do Belenenses nas épocas de 1952/53 a 1954/55
Diamantino, é o 26º jogador Internacional "A" do C.F. "Os Belenenses". Foi uma única vez Internacional e enquanto jogador Belenenses, tendo-se estreado a 22 de Novembro de 1953, contra a Selecção da África do Sul (3-1).
«Sabe-se que Diamantino veio da Covilhã para o Belenenses, mas muita gente ignora que o rapaz é produto do futebol lisboeta.
Irmão de Daniel Silva, o antigo "Cóbecas" que jogou no Sporting e depois no Sporting de Braga, Diamantino iniciou oficialmente a sua carreira, nos juniores do Grupo Desportivo Estoril Praia. Na época seguinte, passou à reserva e chegou a efectuar alguns jogos na primeira categoria.
Veio depois o convite do Sporting Clube da Covilhã, onde Diamantino veio a distinguir-se grandemente, realizando uma série de excelentes exibições no lugar de médio direito.
Chegou a chamar as atenções dos seleccionadores e, uma vez, veio de longada até à capital para um treino, mas, como faltara um guarda-redes, puseram-no na baliza... e a grande oportunidade perdeu-se assim ingloriamente.
No começo desta época, apareceu no Belenenses, mas tardou a subir à primeira categoria, pois eram muitos concorrentes:
- Castela, Amorim, Rebelo... A doença deste último e a quebra de Amorim abriram-lhe, por fim, as portas da primeira categoria, onde tem realizado uma média muito apreciável de exibições.
De tal modo ganhou a efectividade, que, tendo Amorim voltado à melhor forma, o treinador Fernando Vaz manteve-o na equipa, repetindo a experiência inicial de colocar Castela a interior. » Carlos Pinhão

Sem sinal de ataque e sem segurança na defesa, que quer o Belenenses do campeonato ?

Toni, Alexandre Alhinho, Vítor Baptista e Luís Horta
Benfica, 2 - Belenenses, 0
Estádio da Luz, 11 de Setembro de 1977 - 2ª jornada do campeonato nacional
Belenenses: Rui Paulino; Sambinha, Luís Horta, Alexandre Alhinho e Lima; Vítor Esmoriz, Isidro e Vasques; Norton de Matos, Clésio e Artur Jorge (Amaral, aos 69')
Treinador: António Medeiros 
Benfica: Bento; Alberto, Humberto Coelho, Eurico e Pietra; Shéu, Toni e Chalana; Vítor Baptista (Mário Wilson Júnior, aos 47'), Celso (Cavungi, aos 81') e Nené
Treinador: John Mortimore 
Marcadores: Vítor Baptista de penalti aos 26' e Chalana, aos 33'  
  • O titulo deste "post" foi retirado da crónica que Neves de Sousa escreveu sobre o jogo, para o «Diário de Lisboa»

O Belenenses venceu o Newcastle 2-1 em jogo nocturno integrado nas festas dedicadas à visita da Rainha Isabel II

Estádio do Restelo, 19 de Fevereiro de 1957

Belenenses - António José; Rosendo, Raúl Figueiredo e Francisco Pires; José Maria Pellejero e Carlos Silva; Miguel Di Pace, «Matateu», Ricardo Perez, Inácio e «Tito» (Dimas)
Os golos do Belenenses foram marcados por «Tito» e Pellejero e o do Newcastle por Mitchell, os dois últimos de «penalty» 

Ó Paz...posso?!...

«Pois acontece que o nosso Vicente, mesmo sendo capitão da equipa, quando o Paz é batido ou está em dificuldade, não é capaz de entrar a uma jogada do companheiro sem dizer, naquela voz de menino mimado que todos lhe conhecemos: Ó paz... posso ?!...»

Serafim das Neves, protótipo do jogador com a têmpera de «antes quebrar que torcer»

«Serafim das Neves, representou «Os Belenenses» durante 18 anos. Desportista correcto, extremamente dedicado às cores e á causa belenenses. Elemento base das victórias do Clube em 2 campeonatos regionais, 1 Taça de Portugal e 1 Título Nacional, soube enraizar nos seus companheiros toda a gama dos seus conhecimentos de aplicação e atenção ao jogo. Serafim foi 18 vezes internacional.» Acácio Rosa
Coincidindo com abertura da época, o Belenenses organizou no dia 11 de Setembro de 1956, uma Festa de Homenagem/despedida a Serafim das Neves. Constou do programa do evento um jogo da categoria de aspirantes (Belenenses, 0 - Benfica, 1), e um jogo da categoria de Honra entre o Belenenses e o Torreense (6-4)