O aniversário do Belenenses - o popular clube lisboeta

Parada do 16º aniversário
A data do aniversário do Belenenses – o popular clube lisboeta – foi comemorada com um grande festival desportivo. Houve um parada atlética em que tomaram parte muitas dezenas de desportistas: homens, senhoras e crianças. Apresentaram-se na sua máxima força as secções de Ciclismo, Basket, Football, Atletismo, Rugby e outras modalidades

José Sério, herdou de Capela as balizas do Belenenses e deixou-as nas mãos do "magriço" José Pereira

José Carvalho Sério, nasceu em Lisboa (freguesia de Belém) a 5 de Março de 1922. e faleceu no dia 2 de Dezembro de 2010. Clubes que representou: C.F. "Os Belenenses" (1938/39 a 1940/41 e 43/44 a 54/55) Clube Desportivo de Paço de Arcos (42/43) e Grupo Desportivo «O Coruchense» (55/56 e 56/57).
Títulos: campeão nacional da 1º divisão 45/46 e vice-campeão (2º lugar, 54/55, com os mesmos 39 pontos do campeão, o S.L.Benfica) e finalista da Taça de Portugal (1-3 contra o Sporting, em 1947/48). No seu tempo de actividade futebolística ainda não tinham nascido as grandes competições da UEFA.
Inter-clubes, apenas havia encontros particulares, tendo defendido as balizas do Belenenses, nomeadamente com o First de Viena, Anderlecht, Admira da Áustria, Lanús, Flamengo e São Paulo, numa digressão do seu clube ao Brasil.
Contava com duas internacionalizações, vestindo a camisola das quinas - a saber: a primeira a 21/03/48, no Estádio de Chamartín, em Madrid - pela selecção nacional A contra a Espanha derrota 0-2. A segunda, a 13/05/1951, no Estádio nacional em Lisboa - pela selecção de Portugal B contra a França, vitória 3-1
  •  Post publicado originalmente em 18/03/2009

Valadas e Simões - o ataque «vermelho» e a defesa «azul» - num choque em que a souplesse dominou a eficácia...

Capa da revista «Stadium» de 1 de Abril de 1936
Campeonato de Football da I Liga (9ª jornada - 2ª volta) 
Lisboa, 29 de Março de 1936. Campo das Amoreiras. Benfica, 0 - Belenenses, 0 
Belenenses - José Reis; José Simões e João Belo; Mariano Amaro, Jaime Viegas e Rodrigues Alves; Perfeito Rodrigues, Júlio de Sousa, Armelim Pinto, Bernardo Soares e Rafael Correia. Treinador: Cândido de Oliveira
Benfica - Cândido Tavares; Francisco Gatinho e Gustavo Teixeira; João Correia, Albino e Rogério Sousa; Domingos Lopes, Luís Xavier, Carlos Torres, Guedes Gonçalves e Alfredo Valadas. Treinador: Lipo Herczka (húngaro)
Árbitro: Clemente Guerra, do Casa Pia
"O resultado aceita-se pela inteligência dos Belenenses na defesa, e pela sua "presença de espírito»"
 Campeonato de Football da I Liga (2ª jornada - 1ª volta) 
Lisboa, 19 de Janeiro de 1936. Campo das Salésias. Belenenses, 3 - Benfica, 1
Belenenses - José Reis; José Simões e João Belo; Varela Marques, Jaime Viegas e Mariano Amaro; Perfeito Rodrigues, Rafael Correia, Silva Marques, Bernardo Soares e José Luís. Treinador: Cândido de Oliveira
Benfica - Cândido Tavares; Francisco Gatinho e Francisco Costa; Gaspar Pinto, Gustavo Teixeira e João Correia; Carlos Torres, Francisco Albino, Vítor Silva, Rogério Sousa e Guedes Gonçalves. Treinador: Lipo Herczka (húngaro)
Árbitro: Carlos Canuto, de Lisboa  
Marcadores: 1-0, aos 8' por Silva Marques; 2-0, aos 18' por José Luís (com um grande tiro fez um «goal» espectaculoso); 2-1, aos 29' por Torres; 3-1, aos 78' por Perfeito Rodrigues. Aos 63' Viegas falhou a marcação de um «penalty» e Silva Marques a recarga do mesmo
"O Belenenses, foi o grupo mais perigoso e merece o resultado. No seu grupo brilharam Reis, Simões, Varela, Perfeito e José Luís. Distinguiram-se no Benfica, Cândido, Gatinho, Correia, Albino e Rogério." 

Forçando até final o ataque, procurou o Belenenses a bola que justamente lhe daria o triunfo

Capa da revista «Stadium» do dia 17 de Junho de 1936
Campo das Salésias, 14 de Junho de 1936. Quartos de final do Campeonato de Portugal. Belenenses, 0 - F.C. do Porto, 0. Os «teams», alinham:
Belenenses - José Reis; José Simões e João Belo; Mariano Amaro, Jaime Viegas e Rodrigues Alves; Perfeito Rodrigues, Elias Lourenço, Armelim Pinto, Bernardo Soares e Rafael Correia 
Porto - Romão; Ernesto Santos e Avelino; Poças, Carlos Pereira e Álvaro Pereira; Lopes Carneiro, Waldemar, António Santos, Pinga e Constantino
 Árbitro: Cunha Pinto, de Setúbal
«O campo apresenta magnifico aspecto. Os portuense entram em primeiro lugar e saúdam a assistência, que corresponde com palmas de simpatia. O Belenenses entra a seguir. É, porém, naturalmente, recebido com uma manifestação mais significativa. Os lisboetas escolhem contra o vento, que sopra forte, levantando muita poeira. São 17 e 40, começa o jogo.» 
«Forçando até final o ataque, procurou o Belenenses a bola que justamente lhe daria o triunfo, mas os homens do Porto defenderam-se com vigor e sorte.»

José Luiz e Carlos Alves, dois nomes que há muito encheram os nossos campos

Capa da revista «Stadium» de 19 de Fevereiro de 1936
«José Luiz e Carlos Alves, dois nomes que há muito encheram os nossos campos, travaram embate duro, do qual a impetuosidade do belenense levou a melhor sobre a serenidade do portuense»

Bernardo Soares, numa fase emotiva do último encontro entre azues e vermelhos

Capa da revista "Stadium" nº 191 de 9 de Outubro de 1935
«Uma fase emotiva do último encontro entre azues e vermelhos,
focando um ataque de Bernardo e uma defesa arrojada de Conceição»
post publicado originalmente em 24 de Março de 2011 

As intervenções do belenense Caetano, no lamaçal do Campo Grande

Capa da revista "Stadium" nº 375 de 8 de Fevereiro de 1950
«Apesar do mau tempo, a assistência seguia interessadamente a partida que decorreu no Campo Grande. O Benfica atacou, e Júlio teve boas oportunidades que aliás foram desperdiçadas, ou por culpa própria ou pela intervenção de Caetano, ou pelas dificuldades provocadas pela lama. Esta fotografia é uma imagem verdadeira»
«Jogo realizado a 5 de Fevereiro de 1950, no «Campo Grande». O mau tempo transformou o campo do Benfica num autêntico lodaçal em que os jogadores com imensa dificuldade se podiam aguentar em pé e pontapear a bola, mais agravado ainda pelo facto de se ter realizado antes um jogo de reservas que fez com que o terreno de jogo se tornasse ainda mais revolto. A assistência no entanto compareceu em elevado número, e os grupos alinharam: 
Belenenses: Caetano; Figueiredo e Serafim; Rebelo, Frade e Feliciano; Narciso, Rocha, Sidónio, Pinto de Almeida e Diógenes
Benfica: Rosa; Jacinto e Fernandes; Madeira, Félix e José da Costa; Rosário, Arsénio, Júlio, Gil e Rogério
Marcadores: 1-0 aos 4' por Gil e 1-1 aos 44' por Sidónio 
 * post publicado em 13 de Outubro de 2010

A digressão do Belenenses aos Estados Unidos e Canadá

Taunton (Massachusetts), Maio de 1996. Jogo com uma selecção da LASA (Associação Luso-Americana de Futebol), que o Belenenses venceu por 4-0 alinhando do seguinte modo: Valente; Miguel Mota, Pedro Barny, Paulo Fonseca, e Mena; Paulo Gomes, Figueiredo e Rogério; Tonanha, César Brito e Quim
Suplentes: Ivkovic (gr), Luís Ferreira (gr), Taira, Catanha, Raúl Oliveira, Kiko e Miguel Morais. Treinador: João Alves
Resultados dos jogos efectuados na digressão: Nos Estados Unidos, o Belenenses venceu o Phantons, por 2-0, a Selecção da LASA por 4-0, a Selecção da LISA por 2-0, o Grémio Lusitano por 5-0 e o Stingrays por 3-2. No Canadá, venceu por 3-0 o Wolves e o Toronto Supra

Plantel do C.F. «Os Belenenses» da época de 1995/96

Ivkovic, Valente, Lula, Pedro Barny, Fernando Mendes e Nito
Paulo Madeira, Neves, Basaúla, Mauro Soares, Taira e Calila
Paulo Gomes, Álvaro Gregório, Chipenda, César Brito, Mauro Airez, Fertout e Tulipa

Justo, da Vidigueira a Belém com o sim de Fernando Vaz

In Livro “Glórias do Passado”
Justo Manuel Mansos Galinha, nasceu na Vidigueira no dia 28 de Setembro de 1944. Representou o Belenenses na época de 1963/64   
Post publicado originalmente em 5 de Setembro de 2008 

Belenenses goleia o Gil Vicente em desafio de candidatos

Estádio do Restelo, 18/10/1998 - 7ª jornada da 2ª divisão de honra
Belenenses, 4 - Gil Vicente, 0
Belenenses: Marco Aurélio; Jojó, Rui Gregório, Gerson e Cabral; Tuck, Lito (Paulo Dias, aos 75') e Baltasar (Pedro Estrela, aos 69'); Zito, Matute (Sérgio Lavos, aos 83') e Renato. Treinador: Manuel Cajuda
Marcadores: 1-0, aos 14' por Matute; 2-0, aos 38' por Rui Gregório; 3-0, aos 50' por Tuck; 4-0, aos 87' por Pedro Estrela (Foto)

Rolando Jorge Pires da Fonseca

São Vicente (CV), 31/08/1985
Jogador júnior do Belenenses na época de 2003/04
e sénior nas épocas de 2004/05 a 2007/08

Equipa do C.F. “Os Belenenses” da época de 1972/73

Da esquerda para a direita: Minervino Pietra, Ramalho, «Quinito», Laurindo, Alfredo Quaresma, Leandro, Freitas, Félix Mourinho, Celestino Ruas, Jorge Calado, Ernesto, Luís Carlos, Vítor Godinho, «Paco» Gonzalez e Peres Bandeira (treinador de campo)

Belenenses vence o Salgueiros 4-3, em jogo com show de indisciplina, péssima arbitragem e pedido de intervenção policial

6 cartões amarelos e 1 vermelho para jogadores salgueiristas 
2 penaltis, troca de guarda-redes por lesão grave de Madureira, ameaças ao árbitro

Estádio do Restelo, 30 de Setembro de 1984
5ª jornada do campeonato nacional
Belenenses: Justino; Pereirinha, José António, Meneses e Artur; Rúben, Dudu (Murça, aos 32'), Ronnie e Jorge (Norton de Matos, aos 45'); Jaime e Djão. Treinador: Jimmy Melia
Marcadores: Djão (60', 71', 85' e 90'), Tonanha (9' e 82') e Paris (87') 

Faz hoje 65 anos que foi a festa de despedida do «Fixe», belenense da melhor gema. Foi uma festa diferente de todas as outras...

Foto do lado esquerdo: 30 de Agosto de 1951, Adelino Moura sai do rectângulo, à meia-hora de jogo, sob calorosos aplausos, revelando a comoção de um homem simples - belenense da melhor gema.
Foto à direita: Moura, recebe um forte abraço de Feliciano, seu grande amigo, que lhe entrega uma recordação de todos os seus companheiros de clube.
A festa do Fixe foi, digamos, diferente de todas as outras, quase sem publicidade, não intervindo grandes clubes, mas apenas dois «teams» caseiros, o grupo de honra e a reserva de Belém, que jogaram na passada quarta-feira, à tarde, nas Salésias. A equipa principal ganhou por 2-0, com golos marcados por Pedroto e Martins.
Os grupos alinharam da seguinte maneira, primeira categoria: José Sério; Figueiredo e Serafim das Neves; Inácio Rebelo (na segunda parte, Castela), Feliciano e Frade; Mário Reis, Martins (ex–Ferroviários do Entroncamento), Francisco André (ex–Farense), José Maria Pedroto (na segunda parte, Castanheira), e Castanheira (depois Narciso).
Reserva: Joaquim Caetano (na segunda parte, Pereira, ex–junior do clube); Adelino Moura (depois, Henrique Silva) e Portas; Amorim, Raúl Figueiredo e Rocha (na segunda parte, Leoneto); Vieira, Narciso Pereira (ex–Seixal), substituído na segunda parte por Bruno, Etelvino (ex–Lusitânia da Ilha Terceira), Aires Martins (depois, Rocha) e Tito. No segundo tempo, Vieira e Etelvino permutaram de lugares

António Vítor Carvalho Júnior

Carvalho, nasceu a 2 de Janeiro de 1936 no Uige (Angola) 
Representou o Belenenses de 1959/60 a 1962/63. Venceu a Taça de Portugal de 1960, tendo sido o autor do primeiro golo do Belenenses no jogo da final, contra o Sporting
  • Post publicado originalmente em 28 de Agosto de 2008 

Perder, de vez, as estribeiras


«Um dia, há muitos anos, entrei num quarto alugado de uma casa do Dafundo. O dono do quarto era solitário e triste, mas eu olhava-o com o fascínio que os homens feitos, como eu já era, só emprestam aos seus heróis da adolescência: Vicente Lucas.
O homem que Pelé considerou o melhor defesa que o marcou. No Mundial de 66, ele jogou contra a Hungria, Bulgária, Brasil e Coreia, que ganhámos, e não jogou contra a Inglaterra, que perdemos.
Em Lourenço Marques, de onde tinha vindo este negro gentil e de bigode fino, chamavam-lhe "Mandjombo", que queria dizer sortudo. Não era bem assim.
Semanas depois do regresso da glória de Inglaterra, Vicente Lucas teve um acidente e ficou cego do olho direito.
No quarto do Dafundo, enquanto ele tirava de uma cómoda a camisola que Pelé lhe dedicara e folheava as fotos com o seu irmão Matateu, eu beliscava-me para me lembrar que estava ali com Vicente. O Vicente.
Provavelmente nunca serei jornalista, a lâmina fria, o olhar seco, o servidor do público. Seguramente não sou capaz, numa entrevista com Jardel - como li ontem -, com Jardel que estrebucha para sobreviver, com Jardel que falara há pouco de Enke, de lhe perguntar: "Suicídio? Passou-lhe alguma vez pela cabeça..."  Se o meu leitor quer saber isso, merda para o leitor. »  Ferreira Fernandes, in Diário de Notícias, edição de 17/11/2009

  • Post publicado originalmente em 24/11/2009

José Pedro Ferreira Bazaliza

José Pedro, nasceu a 7 de Julho de 1919
(Falecido. Data desconhecida)
Campeão nacional da época de 1945/46. Vencedor da Taça de Portugal da época 1941/42. Representou o Belenenses de 1941/42 a 1946/47, jogando na posição de interior-esquerdo ou a ponta esquerda. Jogou 81 jogos oficiais e marcou 42 golos. Desses, 13 jogos e 6 golos, foram na época em que o clube foi campeão nacional. Foi Director do departamento de futebol, no mandato do Major Baptista da Silva, tendo o clube sido vice-campeão nacional. Acácio Rosa, costumava chamar-lhe o «segundo Scopelli»

Isidro Miguel Palmela da Silva Beato

Setúbal, 19/02/1956
Isidro, foi jogador do Belenenses em 1972/73 e 1973/74
nas categorias juvenis, e sénior nas épocas de 1974/75 a 1980/81 

Carlos Alberto Rodrigues Lima

Barreiro, 20/07/1957
Lima, foi jogador do Belenenses nas categorias juvenis
de 1972/73 a 1974/75 e sénior de 1975/76 a 1981/82