O «onze» do Belenenses que jogou com o S. Paulo em 1951


📸 José Sério, José Maria Pedroto, António Castela, Serafim das Neves, António Figueiredo e António Feliciano.
Mário Rui, Renato Marchiaro, Narciso Pereira, Umberto Buchelli e António Castanheira.
Estádio Nacional, 6 de Maio de 1951. Belenenses, 2 - S. Paulo, 4
 ⮞ Clique aqui para ler mais sobre este desafio ⮜

Selecção nacional com 5 belenenses titulares na vitória por 2 tentos a 1 contra a selecção da França

Estádio do Jamor, 14 de Abril de 1946
Francisco Ferreira (SLB), Álvaro Cardoso «cap.» (SCP), Mariano Amaro (CFB), Manuel Marques (massagista), Serafim das Neves (CFB), António Feliciano (CFB) e João Azevedo (SCP).
Rafael Correia (CFB), António Araújo (FCP), Fernando Peyroteo (SCP), Artur Quaresma (CFB) e Rogério Carvalho «Pipi» (SLB).
Seleccionador: Tavares da Silva. Treinador: Augusto Silva. Marcadores: Araújo e Peyroteo. 
Suplentes: Manuel Capela (CFB), Manuel Marques (SCP), Moreira (SLB), Salvador (SCO) e Espírito Santo (SLB).

Augusto Silva destroçou a defesa do F.C.Porto apontando... 3 golos, o último - o do empate a quatro - aos 88 minutos

Bi-Campeão de Portugal (1927 e 1929)

Eliminado o Benfica da edição de 1932 do Campeonato de Portugal, surgiria no caminho do F.C. Porto o Belenenses, que com dificuldade afastara o Barreirense. Não se notavam, quer nos jogadores, quer nos técnicos, quer nos dirigentes, quer nos simpatizantes portistas, sentimentos escurentados por fumos de desconfiança. Antes pelo contrário.

O Campo do Arnado, em Coimbra, voltou a ser terreiro da luta. A 3 de Julho se jogou a final, arbitrada pelo espanhol Ramon Melcón, a quem a Federação Portuguesa de Futebol recorreu por não ter sido possível obter acordo entre os dois clubes relativamente a qualquer juiz português. Os pupilos de Joseph Szabo chegaram com surpreendente facilidade a uma vantagem de 4-1, com dois golos de Pinga, um de Valdemar e outro de Acácio Mesquita. Parecia que nada poderia pôr empeços aos seus desejos.

Mas por vezes o destino desconcerta: à última hora o Belenenses teve de substituir o habitual avançado-centro, Rodolfo Faroleiro, pelo reserva José Ramos — e, como o substituto não estivesse em dia de inspiração, Artur José Pereira decidiu, perto do fim, quase em solução de desespero, colocar nessa função o médio-centro Augusto Silva, que destroçou a defesa do F.C.Porto apontando... três golos, o último dos quais, o do empate a quatro, aos 88 minutos.

Com o prolongamento nada se resolveu, o regulamento determinava que a finalíssima se disputasse no domingo seguinte, não pôde respeitar-se a praxe porque a Associação de Futebol de Lisboa combinara um Lisboa-Astúrias para o dia 10 de Julho. Por isso se jogaria a 17, outra vez sob arbitragem de Ramon Melcón, cuja direcção do primeiro encontro se considerara modelar.
In "O Século XX do Desporto" Ed. "A BOLA"

Jaime Jerónimo das Mercês

 Cova da Piedade, 27/09/1963
⛹ Representou o Belenenses durante nove épocas (1983 a 1992): ⛹
⮚ Obteve como melhor classificação um 3º lugar no Campeonato da época de 1987/88;
⮚ Foi finalista vencido da Taça de Portugal de 1986 e vencedor da Taça de Portugal de 1989🏆;
⮚ Foi campeão nacional da 2ª divisão nacional da época de 1983/84;
⮚ Vencedor da Taça de Honra de 1989/90;
⮚ Foi 9 vezes internacional pela selecção A, 2 vezes pela selecção Olímpica e 6 vezes pela selecção sub 21 ⮜

Faleceu o Camolas


José Carlos da Silva Camolas, nasceu em Palmela a 30/04/1948 e faleceu em 06/05/2019
Jogador do Belenenses de 1969 a 1971

Post publicado originalmente com o titulo «Quem o Viu e Quem o Vê» em 3 de Maio de 2014.

O Benfica dominou mas não conseguiu impedir a vitória do visitante Belenenses por 2-1

Capa da Revista da «Stadium» edição de 21 de Fevereiro de 1945
📸«Teixeira, que não aparece na fotografia, rematou com perigo. Capela, o grande jogador da tarde, lançou-se em vôo mas seria batido se a bola não embatesse com o poste. Vasco, Francisco Ferreira, Feliciano e Júlio batem-se como podem... Serafim está em guarda nas redes !»
🏆Lisboa, 8 de Fevereiro de 1945. Nova enchente registou o Campo Grande para observar e vibrar com o jogo da rodada 13 do campeonato nacional entre o Benfica  e o Belenenses. Árbitro: Vieira Costa, do Pôrto.
⛹Belenenses - Capela; Vasco e Feliciano; Mário Sério, Gomes e Serafim; Mário Coelho, Elói, Armando, Quaresma e Rafael.
⛹Benfica - Rosa; Gaspar e Cerqueira; Albino, Moreira e F. Ferreira; Espírito Santo, Arsénio, Júlio, Teixeira e Rogério. 
⚽ marcadores: 0-1 aos 38' por Rafael; 1-1 aos 80' por Teixeira; 1-2 aos 83' por Armando. Nos últimos minutos, o Belenenses foi castigado com um «canto». Da sua marcação saiu um inexplicável «penalty» contra os «azues» - mas Julinho, encarregado de o transformar, atirou a bola para fora... Assim, o Belenenses venceu o Benfica por 2-1, resultado que embaraça um tanto a carreira do «leader».

O Belenenses é virtualmente Campeão de Lisboa - na antepenúltima jornada - de forma indiscutível e clara

🏆 Campo das Salésias, 18 de Novembro de 1945. Campeonato de Lisboa, 8ª jornada. A despeito do mau tempo, registou uma boa enchente. Árbitro: José Serandezes, de Lisboa.
⛹ Belenenses - Capela; Vasco e Feliciano; Amaro, Gomes e Serafim; Mário Coelho, Elói, Armando, José Pedro e Rafael. Treinador: Augusto Silva.
⛹C.U.F. - Eduardo Santos; Armindo e Gomes; Curtinhal, Félix e Galvão; Armando, José Travassos, Arnaldo Caeiro, Vicente e Tanganho.
⚽ Marcadores: Armando aos 51', 59' e 81', José Pedro aos 61' e Mário Coelho aos 68' e 70'.
🏆 Resultado final: Belenenses, 6 - C.U.F., 0.
➤ A classificação à 8ª jornada: Belenenses, 22 pontos; Atlético, 17 pontos; Sporting, 17 pontos; Benfica, 13 pontos; C.U.F., 12 pontos e Estoril 11 pontos.    ➤ Benfica e Estoril com menos um jogo, devido ao desafio entre ambos, relativo à 8ª jornada, ter sido adiado, por causa da intempérie que se abateu sobre a região de Lisboa. ➤ Pontuação: vitória 3 pontos, empate 2 pontos e derrota 1 ponto.
❗ No «onze» da C.U.F. alinhava Travassos (ou Travaços) que seria um dos cinco violinos e ficaria conhecido como «Zé da Europa», pelo facto de em 1953 ter sido seleccionado para jogar numa Selecção da Europa, formada para participar na comemoração dos 75 anos da Federação Irlandesa de Futebol.

Registo fotográfico da visita do Real Madrid a Lisboa

31 de Maio de 1945

1. Uma atitude de Gomes ao aliviar o seu campo; 2. Como Rafael bateu Bañón para fazer o tento belenense; 3. Barinaga tenta dificultar a acção de Capela; 4. Uma «parada» de Capela, à base da sua boa agilidade.

Como Rafael bateu o alicantino José Bañón para fazer o tento da vitória belenense contra o visitante Real Madrid



⚽Lisboa, Quinta-feira, 31 de Maio de 1945. O Estádio das Salésias foi palco, verdadeiramente, de um grande encontro. Por todos os motivos: pelo ar de festa e romaria, pela enchente humana e seu entusiasmo, e pela qualidade do jôgo que teve períodos de beleza, bem dignos de contemplação.
➢Árbitro: Ribeiro Sanches (apesar de ter sido imparcial é um juiz sem categoria para estas andanças), de Lisboa.
⛹O «onze» do Belenenses: Capela; Vasco e Feliciano; Amaro, Gomes e Serafim; Mário Coelho, Quaresma, Elói, José Pedro e Rafael.
📸Golo de Rafael. ⛹Destaque para Capela (vai fixando a atenção dos adeptos), José Pedro, José Bañón Gonzálbez, José Maria Querejeta, Juan Antonio Ipiña e Antonio Alsúa. 
Resultado final: Belenenses, 1 - Real Madrid, 0

O Real Madrid em Lisboa para encontro com o Belenenses

Capa da revista «Stadium» de 6 de Junho de 1945
📸 «O Real Madrid em Lisboa. No encontro com o Belenenses, a defesa «azul» está vibrantemente em acção. Capela vê-se numa das suas características intervenções e Vasco e Feliciano intervêm também, empolgados no lance. Amaro vigia as intenções do adversário.»

Maria Júlia Silva do Belenenses abandona o desporto !

🏀Em Março de 1944, Maria Júlia, anuncia a sua despedida da prática desportiva federada. Durante uma década envergou as cores do Belenenses, tendo sido destaque nas modalidade de «hockey», atletismo e «basket», natação e ciclismo. Foi tetra-campeã de Lisboa de «basket-ball». 🏑